A bicicleta não é apenas uma ferramenta de transporte, mas um meio de emancipação, uma arma de libertação. Liberta o espirito e o corpo das inquietudes morais e das doenças físicas do mundo moderno, da ostentação, da convenção e da hipocrisia aonde a aparência é tudo, mas não somos nada. By Paul de Vivie



domingo, 20 de fevereiro de 2011

Pedal da Subida

Mais um pedalzinho pra desestressar pela semana punk que tive.
Dessa vez o plano era ir no bar do paulo comer uma alcatra. Uma não, duas, pois a fome era muito...
O ruim desse pedal, foi justamente o titulo, pois foi um acumulado de 1.200 m, cada subidinha lazarenta de ingreme, que juntamente com o sol, castigou bastante.
Também queria aproveitar pra testar minha nova sapatilha que tinha comprado, uma vez que a velha estava o bagaço.


Saimos em 5 da frente da prefeitura: Eu, Tourinho, Leandro, Thiago e Luqueta.

Pegamos o caminho contrario do que geralmente faziamos pra voltar do canelinha.
Engraçado que conversando com o Leandro, ele disse que já tinhamos feito isso, mas não me recordo, vai ver porque, a gente mais sobe do que desce, minha memoria seletiva, esqueceu ou deletou isso kkkkkk
Chegamos no canelinha e como não tinha comido nada de manhã, mandei um pastel - salgadissimo digasse de passagem - pra dentro, juntamente com um chocomilk.

Quando estavamos nos arrumando pra sair, chegou um babaca, que nem nos comprimentou e ficou rodeando o bar, em seguida foi correndo e voltou apoiando um amigo dele, que pelo visto tinha caido o senhor tombo, ai como tinha mais um que era conhecido do Leandro, começou a puxar papo, que trouxa...
O cara que caiu, estourou um selim, que de acordo com o tourinho, era um caro pacas de fibra e o escambau, quase 500 mangos, se fodeu bonito e o meu sofazinho, firme e forte nas trilhas diarias rs
Deixamos os pra tras e seguimos pro bar do Paulo, um sobe e desce duca, mas como o tempo estava bom, calor mas ventando, fomos na boa.


Teve um descida que deu final de curso, pois eu não consegui desviar do buraco, acredito que se tivesse com a prosckock teria caido na certa, mas graças a Deus, não aconteceu nada...



Seguimos em ritmo bom e chegamos no bar do paulo, por volta das 11h30m, muito cedo pra almoçarmos.
Enrolamos um pouco e pedimos as duas alcatras mencionadas lá em cima, com salada, maionese e arroz.
Caraca, que delicia, quando lembrei de tirar uma foto, já era, tinha acabado...
Ficamos por la, enrolando pra sairmos e pegamos um rumo que parecia que iria pro ceu, de tanto que a gente subia.
Pior, era o sol a pino, que estava torrando a moleira.
Antes de irmos embora, não quis comprar um gatorade e acabei jogando a garrafinha que tinha.
Que azar, pois com o sol, eu poderia ficar me refrescando com agua que poderia ter posto nela.
Subimos uma subida, lazarenta de fdp, eu fervia, a agua do camelback e nada era a mesma coisa.
Paramos num bar, aonde descobrimos que a garrafa d'agua era R$0,50. comprei 4 de uma vez, pus a gelada no camelback e a quente na garrafa e jogava em mim de 1 em 1 minuto.
Dividi a agua com o pessoal e seguimos o pedal.
Estava tão quente, que guardei a camara e esqueci de tirar mais fotos.
Paramos na Ouro fino, descansamos um pouco e seguimos até um estrada de terra.
Nisso a paulinha me ligou e dopo meu irmao, falando que ela estava no clube e meu irmao em BC na praia.
Falaram que eu era louco por estar pedalando naquele calor.
Olhe, posso até ser louco, mas estava me divertindo o tanto quanto eles na agua.
No decorrer do pedal, o aro do Luqueta estava com problemas e paravamos muito pra arruma-lo.
Quando saimos da estrada de terra e pegamos o asfalto, o aro parou de soltar.
Então quando chegamos na estrada que riamos cortar para a volta, ele queria ir por asfalto e ai todos foram tambem.
Paramos para tomar uma salada de fruta e trocarmos a agua e seguimos viagem para curitiba.
O Thiago e Leandro, sumiram, ficando somente eu, o Tourinho e o Luqueta.
Paravamos alguns trechos para reapertar o aro do Luqueta, e na medida que chegavamos perto de Curitiba, viamos uma nuvem preta encima dela.
Acabamos pegando bem pouco a chuva e cheguei em casa com 92,35 km pedalados com media de 17.8 km.
Tomei uma baita ducha, capotei no sofá e dormi que nem vi a chuva.
Lá pelas 21h fomos aproveitar o ultimo dia do horario de verão.
Nos reunimos com uns amigos prum chopp.

Como sempre um dia belissimo, pedal da subida com os amigos e a subida do alcool com outros amigos rs

3 comentários:

  1. Fala Daniel. Mais um pedal bacana.
    Abçs

    ResponderExcluir
  2. OPAZ, pedal com final feliz é sempre positivo. Gostei do relato. A foto do Tourinho no meio da cachorrada está ótima.

    JOPZ

    ResponderExcluir
  3. Caramba, sai em subida depois de comer duas alcatras???!!! Com um sol de rachar???!!! Parabéns, eu teria dormido no chão do bar, ahahahah!

    Mas se o pedal me fez inveja as alcatras mais ainda!

    Parabéns (Pelo pedal e pelas alcatras!)

    Grande abraço.

    ResponderExcluir