A bicicleta não é apenas uma ferramenta de transporte, mas um meio de emancipação, uma arma de libertação. Liberta o espirito e o corpo das inquietudes morais e das doenças físicas do mundo moderno, da ostentação, da convenção e da hipocrisia aonde a aparência é tudo, mas não somos nada. By Paul de Vivie



domingo, 25 de julho de 2010

pedal Fodax: Cerne ll

Há um tempo atrás foi feito o pedal do cerne, mas como não conhecia o pessoal, claro que não fui.
Bom há um mês atrás o pessoal do O2, organizou novamente o mesmo pedal, e esse não poderia perder. Tentei me preparar ao longo do mês, na maioria do tempo não dava - rs - mas fui do mesmo jeito.
Saimos em 12: luis, Fabricio, Mildo Lulis, Arce e porque não sr Heil, Renato, Rafa Gassner, fabio, Maurilio, Rafa Sartori e claro, eu.

Saimos as 6 da matina e nos encontramos na Havan do Barigui pra seguir caminho até o contorno que nos levaria até o final da Manuel Ribas, pra pegarmos o começo ou o fim, que seja, da estrada do cerne.
Desde o começo do pedal, eu sentia que iria me arrepender de ter aceito o convite, pois o ritmo do pessoal estava a milhão, todos estavam andando muito rapidos, e eu ficando cada vez mas pra trás.

Pensava que iria atrasar o pedal, mas foi ai que o Lulis e o Arce me deram uma força tremenda pra deixar disso e continuar a pedalar no meu proprio ritmo, e que, se tivessem que aguardar que aguardassem...
Acredito que o que me pesou bastante - literalmente rs, foi a grande quantidade de comida, que levei na mochila e claro a agua do camelback, porém com o decorrer do pedal, fui comendo quase que de hora em hora o que me deu forças e mais "leveza" pra prosseguir viagem.
Ritmo estabelecido, andamos uns 40~45 km de asfalto até que chegou a parte de terra.
Eu confesso que curto muito me sujar, mas ontem foi brincadeira, não tinha como não, ainda mais pelas chuvas que tinham dado no decorrer da semana.
Mas se somente o barro fosse meu problema, isso iria ser o de menos, pois o que tinhamos de subida pela frente, Meu Deus, literalmente achei que iria apertar a mão do Homem ashaushaushasuash veja porque:









Éeee, confesso que teve horas que não aguentava mais subir, o pior que essas sequencias de fotos são tudo de lugares diferente, infelizmente rs, mas o visual na estrada é maravilhoso, tirei algumas fotos somente, uma que eu curti, que tirei e dopo reparei que a 70 anos atras algum tirou uma quase igual é essa:


fonte, legal né?
Bom, no decorrer do caminho o povo foi sumindo, mas sempre ficamos, eu, Lulis, Sartori e o Renato pra tras, claro que sempre revezando quem era o ultimo, mas o importante que dessa vez o pessoal esperou todo mundo e que deu tudo certo.
Comemos em dois bares diferentes pelo caminho o que nos deu uma energia extra.
Quase chegando no final da estrada de terra, entramos num lugar, por uma trilhazinha bm curta pra uma dolina(??????) que no vero é um baita de um buraco mas estava ventando tanto que nem curti muito lá.

De lá, para a estrada de asfalto era um pulo, nos reunimos, aguardamos outros chegarem e na hora de zarpar pra Ponta Grossa(20 KM), o Luis teve a infelicidade de quebrar o cambio e a gancheira dele.
Solução: fica 2 mais o Luis e o resto vai a Ponta Grossa pegar a van e retornar no lugar.
Foram 20 km bem facil de se fazer, pois a estrada estava vazia, porém era muito aberta e ventava muito, mas muito mesmo, Graças a Deus a favor auhsaushausahsuah, então chegando a Ponta Grossa nos avisaram que o Luis dera um jeito juntamente com o Fabio na magrela - deixaram uma unica marcha - e ja estavam vindo pra nos encontrarmos para pegarmos a van que nos levaria de volta a Curitiba.
Ajeitamos as magrelas numa carretinha fechada, e nos ajeitamos na van, e saimos de Ponta Grossa mais ou menos as 19h, chegamos em curitiba as 20h:30m, pois paramos pra comer num posto.
Na hora que eu desci da van, junto com o Sartori, acho que na hora de colocarem minha magrela, como foi tirado a roda da frente e tenho freio a disco, alguém apertou meu freio e colou uma pastilha na outra, mas que catzo, demorei pacas pra pegar as ferramentas que estavam na mochila do bagageiro e descolar pra poder por a porcaria da roda, pra ter que ir pedalando todo o barigui e ainda por cima pegar a ultima subida do dia, ou da noite, a Candido Hartmann, nessa hora, me desculpe mildão, mas já não estava sorrindo rs...
Cheguei em casa com 146 Km pedalados, media de 16.7 e com uma parte ruim:


Dessa vez tenho que dar o braço a torcer, esse bagageiro é bom pra asfalto, pois na terra, como é muito solavanco ele trabalha bem, mas ja que está dessa forma, vou continuar usando, pois foi de grande valia...
A bike está imunda, nada que uma lavagem não resolva...

Mais fotos:
aqui e aqui

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Nova e definitiva configuração do bagageiro

Ontem fui na casa china no agua verde e comprei umas coisinhas pra ajeitar a lanterna traseira do bagageiro.
Comprei 2 piscas, um pro bagageiro e outro pro capacete - aproveito quando estou com a 2 e fico mais visivel - uns lacres e um extensor de moto, que achei bem melhor do que 2, 3, extensores...
No meu ver, nao ficou bom ainda, mas nao tem outro jeito e vai desse.
Agora é ver se da conta no pedal do cerne.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Primeiras impressões do bagageiro

Ontem vim de magrela trabalhar, pra dar uma desenferrujada e dopo pra ir arrumar meu cambio.
No final do dia quando ja estava saindo, o meu novo acessorio me incomodou um pouco, pois os elasticos que tem nele nao são taaaaaaoooo bons assim.
Como trabalho numa recapadora, peguei umas tiras de borracha e amarrei em volta da mochila, que estava com algumas roupas minhas, a bolsa de selim com as ferramentas e camaras de ar.
Dopo disso o Leandro tinhas um extensor que peguei e ficou bem melhor.
Bom no decorrer do pedal a unica coisa que me incomodou, mas muito pouco, foi a mochila, relando na minha perna, mas até que foi bom, pois com isso eu via se o bagageiro iria "rodar" do selim, o que não aconteceu.
No geral ele não me incomodou em nada, vez o papel dele, porém como pedalamos somente em asfalto tenho que ver se na terra ele se comporta igual, o que vai ser dificil.
Ah, ja tinha esquecido, com a colocação do bagageiro, tive que tirar minha lanterna traseira e recoloca-la em outro lugar o que eu realmente não gostei.
Achei que ficou muito feio, contudo estou vendo pra por outra na ponta do bagageiro pra ficar mais bonito.

Tag night

ontem teve um tag muito susse.
Quase 100% asfalto, com algumas ruazinhas esburacadas, mas nada que sujasse a magrela.
Estavamos em 8: leandro, Fabio, Renato, mildão, luiz, Sergio, bussa e eu.

Foto do Renato
O roteiro: Rebouças, Prado Velho, Linha Verde, Hauer, Carmo, Uberaba, Jardim das Américas, UFPR, Prado Velho, Parolin, Água Verde, Rebouças.

Demorei uns 20~25 min pra chegar em casa.
No total do dia pedalei 66 km

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Novo Acessorio

Fui na Jamur, comprar um cambio dianteiro novo, e negociando o mecanico disse que o meu so precisava de uma regulagem.
Com isso, aproveitei e comprei um bagageiro suspenso, que achava que era caro, mas nao é e realmente compensa o investimento.
Vou testa-lo de vero, no pedal fodax de sabadao.
Vamos ver se o bicho aguenta de verdade...

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Passeios de bicicleta exigem cuidado redobrado



O Brasil está acima da média mundial em acidentes com bicicletas que provocam fraturas no rosto. Apenas o uso dos equipamentos de segurança podem evitar marcas que podem ficar para sempre.
Agora, até pra dar um rolezinho no quintal precisar de todo os equipamentos, era melhor embalar num saco-bolha a gurizada asuhdausdhausdhasduahsdausdhasdu
Mas o caso é serio, e temos que nos previnir, o dificil é a gurizada aceitar...

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Terminantemente proibido chover...

Será que se a gente espalhar esse cartaz por curitiba inteira, o tempo muda?



Seria perfeito ne?

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Bike dificil de roubar...


Esta deve ser uma das melhores invenções na história de invenções para bicicleta. Ele foi criado pelo cara nas fotos, um designer de 21 anos chamado Kevin Scott - é uma bicicleta dobrável que não precisa de cadeado.

Sei que é difícil de acreditar, mas esta aqui funciona e já pode ir para a linha de produção. A bicicleta pode literalmente ser dobrada ao redor de um poste. Isso mesmo: a bicicleta se dobra para servir de cadeado para si mesmo. Ela começa rígida, mas basta usar uma alavanca e ela se torna flexível para ser dobrada ao redor de um poste.
Fantastica...
pego aqui

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Tag - Trilha no bairro Riviera e Copel

Ontem vim de magrela ao trabalho, pois tinha ja combinado com o Leandro que eu iria no tag a noite.
O trajeto iria ser um pouco na cidade e mais off road, pelos os lados do contorno.
Mas esse foi punk demais, desde o inicio.
Saimos da tag com 13 bikers, e pareciamos uns loucos de fixa andando no transito de ctba, ate pegar a saida pro mossungue.
Do mussungue fomos em direção a canaleta que pegando uns caminhos extras vai sair la na Jk, de la o mildao teve que vazar por umas zicas dele - rs - e o sartori fui junto.
Dopo disso antes de chegar no começo da trilha quebrou a porcaria da minha lanterna, e fiquei num breu danado, o marcelo tentou me dar uma luz - rs - , mas como disse o renato, meu guidon parecia penteadeira de puta e nao cabia mais nada aushduashdausdhasudasdhasudhasudshad
o sujo falando do mal lavado, pois o dele tbm parecia aushdaushdasudhasduasdhausdhasdsu.
Bom fiz a trilha com a ajuda dos outros me iluminando, e realmente estava bem melhor que a ultima vez, mas sujo igual.
Saimos e pegamos a BR, demoramos pacas pra cruza-la, e pegamos a trilha da copel, aonde eu peguei a lanterna do marcelo pois estava phoda no breu, e aproveitando as luzes dos outros.
De la pegamos o Contorno fomos pedalando ate o barigui e dopo ate o josias, aonde finalmente iriamos comer, aproveitei e comi o dog paraiba, que eh uma delicia.
Me despedi do pessoal e cheguei em casa quase 23:00, sujo, fedido, alimentado e contente por ter completado o pedal.
Tirei uma unica foto da magrela, ja em casa, pra vcs verem o estado dela.

No total do dia pedalei 61 km...

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Nostalgia - Trilha da Vaca Atolada - Londrina-Pr

Sempre curti pedalar, desde que morava em Londrina, pedalava com meu irmao e amigos. Dopo que fiz a ultima trilha de sabado, eu lembrei de uns trechos dessa trilha da vaca atolada. Entao resolvi procurar algumas fotos e videos para mostrar o que é barro de verdade. Fiz essa trilha com meu irmao e um amigo em janeiro/2008, num periodo que tirei ferias com a familia e aproveitei e levei a Eleonor pra conhecer o verdadeiro barro do norte do parana. Tinha chovido muito na semana antes da trilha, mas mesmo assim topamos o desafio. Meu irmao e o Wlad ja tinham feito essa trilha diversas vezes e eu fui a primeira vez, entao fui com bastante cautela, o que vcs verao nas fotos a seguir... Bom, da casa do meu irmao, no centro de Londrina, ate a trilha ida e volta da uns 80 km, o que fizemos em quase o dia inteiro pois estava muito pesada. O ruim, da trilha foi eu ter voltado com a magrela, de Londrina, com marcas do barro, o que eu nao consegui tirar la, dando esse trabalho pro Leandro fazer asuhaushasuahsaushasuah. Bom menos papo e mais imagem e videos.
Aproveitem:

Alguns videos:
video
video
video
video

domingo, 4 de julho de 2010

Recanto do papagaio e trilhas alternativas

Na sexta-feira, fui "liberado" - rs - aos 47' do segundo tempo pr'uma trilha que o Leandro tinha feito com o pessoal do O2.
A ideia era irmos até a cachoeira do panelao, porém foi bem diferente...
Saimos as 7 da matina no sabado em direçao a Campo Largo, nisso estavamos em 5: eu, leandro, Jrdutra, luquetta e bussa, mas antes que chegassemos no pedagio, apareceu do nada o "tourinho", dizendo que tinha perdido a hora e acelerou para nos alcançarmos...

de la pedalamos até o pedal, e fizemos um lanche, e seguimos pro recanto dos papagaios.


Tiramos varias fotos, ficamos por la um pouco e comecamos a beirar o rio.




Foi ai que começou a "trilha alternativa", pois ela estava terrivel de horrivel rs, margeamos o rio, a vista estava maravilhosa, porem o piso estava charqueado e cheio de barro, alem do mais o mato estava alto, o que dificultava aonde pisavamos, mas valeu muito a pena.




Mais andamos do que pedalamos nessa parte, e foi isso que cansou a gente, pois como estava bem ruim o piso, muito tronco, buraco, quase nao subiamos na bike.
O pior que teve parte que era areia, parecia que andavamos na praia, atravessamos o rio, e achamos uma trilha perfeita pra pedalar, o que tirou o atraso.




Nao conseguimos achar a cachoeira que estavamos procurando, mas achamos outra que era muito bonita, ficamos por la um pouco, e vimos que estavamos muito atrasado, foi comico, pois so dava marmanjo ligando pras patroas falando que iriamos nos atrasar asuhaushasuahsua, claro que eu também asuhaushasuhasuashuashas





Saindo da cachoeira, fomos prum posto almocarmos, e realmente nao sei se a comida estava boa, ou se estavamos com muita fome, o que sinceramente era a segunda opçao.
A parte chata do pedal foi a volta pra casa, 45 longo km ate em casa.
Como estavamos muito atrasado, cortamos pelo morro do Cristo, ficamos la por um tempo, e dopo seguimos em frente.
De la, alguns foram na frente, outros foram mais sussegados, assim como eu.
Cheguei em casa com 123 km rodados com 17 de media e muito, mas muito cansado...
Mas outra parte boa, que esqueci de tirar foto, foi dar uma volta com a familia, enquanto o lucas comprava e colava as figuras da copa, eu e a paulinha tomavamos um baita de um chopp...
O dia realmente foi otimo...